sábado, 4 de junho de 2011

O Fim das Videolocadoras

As Videolocadoras deixaram de existir e o DVD chegou ao seu fim. Será a TV à Cabo a próxima vítima (“cableless future”)?


A opção da Netflix pelo conteúdo original é mais do que uma mudança estratégica, ela pode mudar toda uma indústria!

Três anos atrás, se perguntássemos à qualquer pessoa se trocariam a Videolocadora ou a TV à Cabo por um Serviço de Filmes via Internet, a grande maioria acharia graça da pergunta. A resposta padrão seria: "Eu nunca escolheria por algo que nem sei como usar ou conectar à minha TV versus milhares de filmes e séries de TV à distância de um toque dos dedos".

Hoje, ninguém mais ri deste questionamento...

Em cinco anos, São Paulo, por exemplo, perdeu mais da metade das videolocadoras. Dos 4.800 estabelecimentos no Estado em 2005, só 2 mil ainda funcionam. A pirataria e download ilegal são os vilões…

E o Blu-ray? Seria ele o mocinho?

Acredito que não, pois a mídia física também sucumbiu. Assim, ao meu ver, este segmento de mercado não tem mais salvação e logo ocupará o seu lugar apenas nos livros de história.

Todavia, veja o que pensa o Sindicato das Empresas Videolocadoras do Estado de São Paulo (Sindemvideo): “O horizonte é o blu-ray, porque não dá para piratear. A alta definição não dá para piratear nem fazer download. Por isso, está se apostando nessa nova mídia. É uma sobrevida para as videolocadoras”. Ledo engano, infelizmente o blu-ray já foi quebrado e, felizmente, a @EnterPLAY é uma prova prática de que SIM, dá para assistir a filmes de alta definição via Internet. Não apenas pelo já ultrapassado download, mas também via Streaming, “É clicar e REALMENTE assistir a milhares de filmes e séries de TV à distância de um toque dos dedos”, afirma Fábio Vilardo, sócio-diretor da @EnterPLAY (www.EnterPLAY.com.br).

Já, no que tange à TV à Cabo (ou TV por Assinatura), o chamado “Efeito Netflix” mostra o que ocorre neste front, nesse exato momento nos EUA. Contando com 20 milhões de assinantes e responsável por 61% do mercado de filmes digitais (downloads e streamings de vídeo via Internet) nos Estados Unidos (veja Netflix Dominates Video Streaming: There Will Be Blood), a empresa mostra a impressionante marca de que 1 em cada 5 assinantes de seu serviço não assina a TV à Cabo. Este cenário fica ainda mais crítico se olharmos apenas para os usuários entre 18 e 34 anos, pois, neste caso, 1 em cada 3 deles elegeu o serviço de filmes via Internet em detrimento da TV por Assinatura.

Mas, por que assistir a Filmes via Internet? A resposta é simples, ao invés de ser obrigado à optar pela escassa grade de filmes da programação da TV à Cado e do Pay Per View, podemos assistir a qualquer filme, em qualquer device (PC, Tablet, TV ou Celular), no momento exato em que temos vontade. Ou seja, vivemos a ditadura do consumidor, “eu escolho o que, como, quando e onde assistir”, com toda a comodidade do mundo.

E quanto ao conteúdo original? O que este tema teria a ver com o assunto? TUDO!

O golpe de misericórdia na Economia da Escassez da TV à Cabo e seu diminuto catálogo de filmes do Pay Per View foi dado há pouco pela Netflix, ao anunciar sua entrada na exibição de conteúdo premium.

Ocorre que, ao disputar com nada menos do que a HBO e a AMC, a Netflix arrematou, por mais de US$ 100 milhões, a nova Série de TV “House of Cards”, produzida por David Fincher (Seven – Os Sete Crimes Capitais, Clube da Luta e A Rede Social) e estrelada por Kevin Spacey (Seven – Os Sete Crimes Capitais, Os Suspeitos e Beleza Americana, entre outros).

Vale lembrar que a Netflix não está pagando pela produção da série, mas sim pelo direito de sua primeira exibição, ou seja, estão comprando a primeira “janela de exibição” deste conteúdo.

Enquanto a empresa fala que este movimento não consiste em uma mudança estratégica, o mercado avalia que, na verdade, pode ser muito mais do que isto.

Até o momento, a Netflix e demais Serviços de Vídeo via Internet não exibem conteúdos em sua “primeira janela”. Ao contrário, estes sites são focados na segunda, terceira e a até quarta janelas de exibição. Exatamente, eles exibem após o cinema e, em alguns casos, até mesmo após a exibição na televisão.

Porém, com House of Cards, o jogo muda completamente. Pela primeira vez, veremos internautas assinando Serviços de Filmes Digitais para assistir a conteúdos via Internet antes mesmo do cinema. E, neste caso, se a série for tão boa, quanto seu elenco sugere que seja, a Netflix experimentará uma avalanche de novos assinantes, dentro em breve.

Este pode ser o primeiro sinal de um possível “cableless future”.

- Posted using BlogPress from my iPad

15 comentários:

Anônimo disse...

Faltou lembrar q as conexões de banda larga aqui alem de custar 4x o q custam nos EUA ainda estão devendo demais em qualidade. Filme em alta definição em streaming com a conexão q vc paga caríssimo por 10 mg e a operadora te entrega 4(o contrato diz q só são obrigados a entregar 10% do q vc paga) é piada... Só no quadro a quadro...

Jotacê disse...

A mídia física sucumbiu só pra quem ALUGA material. E só nos países com infra de transmissão de dados suficiente.

Para países como o Brasil, e para os colecionadores o DVD e o Blu-ray só crescem. Os gráficos não mentem.

taskdomask disse...

Matéria infeliz, no Brasil não acontece nada disso. vão pesquisar antes de sair postando qualquer coisa.

Gerson Rolim disse...

Caro Taskdomask,

Obrigado por sua participação...
Todavia, fiquei com duas grandes dúvidas sobre suas colocações, quais sejam:

1) Em que Brasil você vive?
2) Gostaria de saber se você é dono de videolocadora? Pois assim entenderei o porquê de seu comentário pouco construtivo e fora de contexto, pois estou certo de que a falta de pesquisa, infelizmente e com todo o respeito, paira 100% sobre a sua parte.
Cheers,
Gerson Rolim

Diretor do Intituto Latino Americano de Comércio Eletrônico - ILCE

Consultor da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico - camara-e.net

Coordenador do projeto Mercosul Digital

Antonio disse...

Como disse o Jotace o Bd sucumbiu para quem aluga, o Bd é um grande feito para colecionadores, fãs de cinema, gente que compra uma linda edição ou que ja assistiu o filme mas como verdadeiro fã de cinema quer ter em alta definição por saber que o filme estara no aspecto correto ao qual o diretor desejo para com o filme. Gente que aluga so quer desligar o cerebro e assistir qualquer filme independente da resolução, não tem amor com o filme(não que isso seja um demerito), isso que faz o bd sucumbir(nas locadoras), eles não vão investir em um aparelho mais caro.

Antonio disse...

Outra coisa via streaming os filmes virão com horas de extras? O sujeito que usa isso não reve filme, ve e descarta. Para mim(e muitos) cinema não é só entreterimento é arte. Fico triste que pessoas que não entendem o que é isso afirmem coisas que nem sequer elas amam. Repetindo o bd sucumbira para locação.

Anônimo disse...

Que bom saber que os dvds estão acabando e o blu-ray já não tem a segurança contra a pirataria. digo isso não a favor da pirataria, o preço pelo entretenimento é um absurdo e por isso o brasil que vive o taskdomask é pura verdade e é a maioria. entretenimento deve ser para todos e não para uma determinada classe. Se engana quem achar que vai melhorar com filmes direto pela internet o mundo é capitalista e acho é bom que os piratas comam uma parte da pizza.

Jean Rocha disse...

Interessante sua materia, e acho que estamos mesmo perto de isso acontecer, porém isso não quer dizer que é o fim da TV a cabo ou da TV Globo, fosse assim não existiria mais radio.
A mercado pra todos, nem todo mundo tem acesso a internet de qualidade, alem de ruim o custo é caro.
Tenho uma video locadora e faço em média 10 cadastros por semana, desses 10 apenas 2 tem telefone fixo, eventualmente internet.
Tenho varios clientes que tem TV a cabo e continua a pegar filmes na locadora.
Quanto a midia fisica, tem muita gente que gosta de comprar filmes, meu caso, gosto de ter em casa filmes bons e classicos.
Sé é o fim, só o tempo dira, mas acho que a mercado pra todo mundo.

Anônimo disse...

O VOD NO BRASIL VAI CRESCER MUITO
VEJA REPOPRTAGEM JV

LOCADORA DE FRANCA (SP) PARTE PARA DISTRIBUIÇÃO DIGITAL
Alugando ou vendendo títulos pela internet, BlockVídeo desiste de investir na mídia física







Há cinco anos no mercado, a locadora BlockVídeo, da cidade de Franca, interior de São Paulo, inaugurou o serviço de locação e venda de títulos digitais por streaming ou download através de seu site na internet. “Paramos definivamente com mídia física”, declarou o proprietário, Efrem Peixoto. Para locar ou comprar filmes no site da BlockVídeo, o cliente deve instalar um programa Player. A partir daí, basta escolher o filme – e optar se quer alugar ou comprar – e baixar para o computador. Há também a opção de assistir direto na TV, por streaming, se o aparelho tiver conexão com a internet. Os preços variam entre R$ 4,90 (locação) e R$ 19,90 (compra). Na relação de títulos oferecida no site, por enquanto, a maioria é de lançamentos da FlashStar e Focus. “Estamos só aguardando as empresas Sony, Warner, Paramount e Disney prepararem o conteúdo deles para podermos oferecer os filmes destas empresas em nosso site”, argumenta Peixoto


Fonte: Jornal do video
06/06/2011

EFREM MOL PEIXOTO disse...

veja a reportagem que saiu na revista vervideo sobre
BLOCKVIDEO ON DEMAND
http://1.bp.blogspot.com/-OFVkSWfCq-U/Tgjd05APGPI/AAAAAAAAADQ/fZ7LgZSOqlE/s1600/vervideo0001.JPG

EFREM MOL PEIXOTO disse...

veja a reportagem que saiu na revista VerVideo
sobre "BLOCKVIDEO ON DEMAND"
http://1.bp.blogspot.com/-OFVkSWfCq-U/Tgjd05APGPI/AAAAAAAAADQ/fZ7LgZSOqlE/s1600/vervideo0001.JPG

EFREM MOL PEIXOTO disse...

segue link da materia revista ver video

http://exodus.videosoft.com.br/files/vervideo/images/edicao/216/revista/pagina/8793_zoom.jpg

Anônimo disse...

O PESSOAL VCS ESTÃO TODOS POR FORA DO OCORRIDO. SE TUDO ISSO FOSSE VERDADE DE ACABAR COM OS DVDS E TUDO MAIS , NÃO ESTARIA VOLTANDO OS FILMES CLASSICOS SENDO REGRAVADO EM DVD.VAMOS ACORDAR E PARAR DE FALAR BESTEIRA NÉ.

Gerson Rolim disse...

Prezado Leitor,
Obrigado pela audiência e pela participação. Todavia, preciso te alertar que não escrevemos nada neste blog, sem uma grande pesquisa prévia, como viu neste artigo.
Assim, sugiro que também olhe as métricas e os dados do mercado antes de fazer colocações tão contundentes.
No mais, sobre sua colocação, acho que está fazendo uma confusão entre filme clássico (como "O Artista") e mídia em final de seu ciclo de vida, como é o caso do DVD. Não devemos confundir a obra com o meio de distribuição, pois uma coisa não tem nada a ver com a outra...
Cheers,
Gerson

Tarcisio Thomaz disse...

Filmes via internet é so para um publico mais jovem...na minha cidade as locadoras continuam investindo forte tanto em DVD quanto BD, e obtem um otimo retorno, video locadora nao é so um local onde se compra e aluga filmes, ela mto mais do que so isso, acima de tudo ela é um ponto de encontro onde as pessoas vao e conversam trocam ideias e fazem novas amizades...ja pensou se todo mundo começar a fazer tudo pela internet, nem todos gostam de ficar o dia todo sentado na frente de um pc definhando aos poucos, e digo mais, a ideia de que as video locadoras iram se acabar é so para loucos desinformados, que usam alguns numeros quase que sem fundamento para argumenatar, estou no ramo de video locadoras a 22 anos, e aposto que ainda estarei daqui 20 anos, e sinceramente Gerson Rolim, voce nao bate bem da cabeça kkkkk...as midias fisicas geram bilhoes de lucro para as empresas todo ano, entao vc acha mesmo que irao desistir desse lucro, fica dica!