terça-feira, 11 de agosto de 2009

General Motors e eBay ensaiam venda de carros online

car e-commerce A General Motors e o site de comércio eletrônico eBay estão lançando um programa de testes na Califórnia que permitirá a consumidores negociar com concessionárias e comprar veículos pela Internet, informaram as empresas em 10/agosto/09.

O site de vendas de carros -- gm.ebay.com -- sinaliza uma mudança na forma como veículos novos são vendidos nos Estados Unidos, e seu objetivo é ajudar a GM a recuperar sua participação no mercado um mês após se levantar da concordata.

O mercado online dá à GM, maior montadora dos EUA, um novo canal de vendas para seus veículos ao mesmo tempo em que corta o número de concessionárias nos EUA em mais de 40 por cento, para 3.600 até o final de 2010, como parte dos esforços para retomar à lucratividade.

Mais de 255 concessionárias da GM na Califórnia vão participar do programa, que funcionará de 11 de agosto a 8 de setembro. A GM afirmou que sua intenção é expandir o programa para todo o país se o programa ajudá-la a atingir novos clientes e ganhar maior participação de mercado.

O site permitirá aos consumidores comparar preços de diferentes modelos e concessionárias, negociando preços, formas e prazos de pagamento. Os consumidores poderão escolher entre pagar o preço anunciado ou indicar o preço que estão dispostos a pagar, além de negociar online com a concessionária.

Mais de 20 mil veículos das marcas Chevrolet, Buick, GMC e Pontiac estão listados inicialmente no site.

A Califórnia, que nos últimos anos foi dominada por marcas importadas, é o estado mais populoso dos EUA e individualmente o maior mercado para veículos novos no país. Os números de vendas de carros têm sofrido mais na Califórnia que nos outros estados no último trimestre devido à profundidade da crise no mercado imobiliário na região.

Fonte: Reuters

Um comentário:

Daniel disse...

temos que ver na prática o que isso muda, ou se será tipo um feirão da fábrica que fazem no Brasil com preços iguais, sem muita concorrencia.

Acho uma boa para capilarizar a oferta, mas não sei se vai gerar guerra de preços não!