sexta-feira, 20 de junho de 2008

Surge nova Profissão na Internet: “Olheiro de Internet para monitorar as marcas de empresas”

Sou ouvinte assíduo da CBN e hoje, ao sintonizar o Dimenstein, deparei-me com uma nova profissão recém nascida no cerne da Economia Digital: “Olheiro de Internet para Empresas”.

Segundo Dimenstein, a mais recente pesquisa do Ibope (IBOPE//NetRatings: Estudo sobre Redes Sociais) informou que, em nosso país, aproximandamente 19 milhões de pessoas navegam em sites ligados as mídias sociais, ou seja, redes sociais e blogs.

Ainda, segundo a pesquisa, 94% das pessoas que visitam sites de montadoras de automóveis, também freqüentam portais de comunidades, a fim de acessar a opinião de outras pessoas, que já vivenciaram uma experiência com a marca desejada. Assim, ao extrapolarmos a análise do Ibope, chegamos à conclusão de que “grande parte” dos consumidores de produtos sofisticados navegam em Blogs, Orkut, Limão, LinkedIn, Tuangr, entre outros, para conhecerem melhor os produtos a serem adquiridos.

A conclusão dessa pesquisa é que a mídia social na Internet tornou-se tão influente na formação de opinião dos consumidores modernos que detem hoje a capacidade de causar danos irreparáveis a marcas até então ditos "intocáveis".

Dado este titânico poder auferido pelas comunidades na Internet, o mercado viu-se obrigado a criar uma nova carreira ligada a Internet, um profissional responsável por avaliar como as redes sociais, blogs e demais canais de mídia social e digital que estão abordando os assuntos ligados às empresas onde trabalham. E, sempre que possível, fazer o papel de advogado destas marcas.

O poder do “marketing viral” (técnica de divulgação de uma determinada informação, explorando as ferramentas de Internet a fim de produzir aumentos exponenciais em sua repercussão) não é novidade na Web. Atualmente, nos deparamos com estratégias de marketing viral em nosso dia-a-dia, via e-mail, via SMS e nas redes sociais. Todavia, a comunidade em rede, interligada pela Internet, já vivencia a facilidade de propagação de verdades e mentiras desde o seu início.

Um exemplo clássico do poder das comunidades da Internet na construção ou destruição de uma marca ocorreu há 14 anos, quando foi descoberta uma falha no algoritmo de multiplicação em ponto flutuante no recém lançado Intel Pentium. Segundo a Intel, tratava-se de um erro muito raro (ocorrendo apenas uma vez em cada 27.000 anos). Porém, após um enorme clamor da comunidade Internet em prol de uma solução imediata, a IBM realizou um estudo comprovando que a possibilidade do erro ocorrer era de uma vez a cada 24 dias e ameaçou de retirar do mercado todos os computadores IBM com os processadores Pentium. Este epsódio obrigou a Intel a trocar seus processadores, gerando um prejuízo de mais de U$ 450 milhões para a empresa.

Assim, que venham os novos “Olheiros de Internet”!


Ouça esta entrevista com o Dimenstein diretamente da CBN:


Um comentário:

Daniel disse...

Gerson, este tipo de serviço, já tinha visto faz algum tempo, a Microsoft mesmo, contratou com um belo cargo, provavelmente um belo salário tb, um blogueiro famoso nos EUA, só pra ficar passeando na internet e defendendo a MS de foruns, blogs, etc.
Hoje a informação, a reclamação ou elogios têm melhores ferramentas para serem divulgados, logo, um problema que vc tem com um cliente pode ser informado ao mundo, desta forma, ter alguém atendo a estas informações em diversas redes sociais é muito importante, evitando que comentários negativos `corroam´ sua marca, sem vc saber!

realmente novas ferramentas, novas oportunidades geram novos profissionais.